Canções de amor que de amor não tem nada

Guardei esse texto para soltar no dia dos namorados, mas mudei de ideia por dois motivos: Primeiro, porque parte dos brasileiros já absorveu o Valentines Day americano, e semana passada fui obrigado a ver os posts românticos com meses de antecedência. Valentines, Halloween... Ainda veremos o brasileiro comemorar o 4 de julho. O segundo motivo é, no mundo da pandemia, não podemos nos dar ao luxo de deixar as coisas para depois. Se em 2021 não teve carnaval, como pode ter dia dos namorados?

Espero que gostem.



  • I’m On Fire - Bruce Springsteen

Hey little girl, is your daddy home? Ei, garotinha, o seu pai está em casa?

Did he go away and leave you all alone? Mhmm Ele foi embora e te deixou sozinha?

I got a bad desire Eu tenho um forte desejo

Oh oh oh, I'm on fire Oh, estou em chamas


Um bom advogado alegaria que “garotinha” é apenas uma forma de expressão, e “forte desejo”, uma vontade urgente de ir ao banheiro. O gemidinho (“Mhmm”) depois de saber que ela está sozinha em casa, no entanto, é indefensável. O “estou em chamas” com jeito de “pode vir quente que estou fervendo” também não ajuda. Sorry, Bruce. A casa caiu.


  • I've Got You Under My Skin - Frank Sinatra

Don't you know little fool, you never can win Você não sabe seu tolinho, você nunca vencerá

Use your mentality, wake up to reality Use sua inteligência, acorde para a realidade

But each time that I do, just the thought of you Mas quando eu tento, só de pensar em você

Makes me stop before I begin Me faz parar antes de começar

'Cause I've got you under my skin Pois eu sinto você sob minha pele


Te sinto sob a minha pele. Lindo né? A mesma frase se aplica ao uso de heroína. Aliás, a música inteira se aplica ao uso de heroína, razão do mito de que o autor, Cole Porter, na verdade está falando sobre a relação com a droga, não um grande amor. Trechos como “Eu tentei tanto não ceder // Eu disse para mim mesmo que este caso não acabaria bem // Mas porque eu deveria resistir, quando, querida, eu sei bem // Que eu sinto você sob minha pele” só confirmam a tese. Resumindo, na próxima vez que você for a um casamento, e ver os noivos entrarem ao som dessa música, lembrem-se que na verdade estão homenageando uma droga fatal que mata mais de 150 mil pessoas por ano. De nada.


  • Run For Your Life - Beatles

Well, I'd rather see you dead, little girl Eu preferiria te ver morta, garotinha

Than to be with another man Do que com outro homem

You better keep your head, little girl Melhor pensar bem, garotinha

Or I won't know where I am Ou não vou saber onde estou

You better run for your life if you can, little girl É melhor você se salvar, se puder, garotinha

Hide your head in the sand, little girl Esconda sua cabeça na areia, garotinha

Catch you with another man Se eu te pegar com outro homem

That's the end, little girl É o fim, garotinha


Basicamente, a canção é o John Lennon ameaçando uma garota. Em determinado momento ele se justifica, e diz que só age assim porque é ciumento. E então volta a dizer que irá matá-la se ela sair com outro homem. Dá para entender por quê o Charles Manson ficou tão obcecado pela banda de Liverpool.


  • Every Breath You Take - The Police

Every breath you take Cada suspiro que você der

Every move you make Cada movimento que você fizer

Every step you take Cada passo que você der

I'll be watching you Eu estarei te observando


Ah, o clássico dos clássicos. Essa música prova que a diferença entre um romântico insistente e um stalker é apenas a beleza da pessoa. Every Breath You Take cantada pelo Sting é uma serenata de um homem completamente apaixonado. Na voz de um bombadinho de óculos escuros com camisa da seleção brasileira te seguindo no parque, é um filme de terror esperando para começar.



Lembrou de mais alguma música? Manda para mim.


Posts recentes

Ver tudo

O roteiro São Paulino (que se repete todo ano)

No final da década de 70, o cineasta Syd Field criou o que se tornaria o padrão de roteiro para a indústria de cinema americana. Até hoje, mais de 90% dos roteiros de Hollywood seguem seu modelo, que

Formula 1: Medo e delírio em Sochi

Os mais velhos juram que, ao final da vida, você se arrepende mais daquilo que não fez. Isso já foi tantas vezes repetido que se tornou um clichê. Mas clichês têm essa estranha mania de se repetir e,