Carência é comorbidade?

A pandemia foi cruel com o mundo, sádica com os brasileiros e insensível com os solteiros; com os solteiros que de fato seguiram as recomendações de isolamento, então, foi um tapa na cara.

Curioso que só eu, fiz uma pesquisa com amigos, homens e mulheres, para descobrir como lidaram com esse ano de solidão implacável. Eis as respostas mais comuns: apps de paquera, nudes, desenvolvimento de relação estável com um pinto de borracha (ou similares), pornô, mensagem para ex, mensagem aleatória para qualquer pessoa disposta a te dar atenção, “usei esse tempo para me concentrar em outras coisas” e “comprei um cachorro”.

Foi e é muito difícil. Sei que graças ao mal deste século, que é tentar tirar lições mesmo de tragédias sem sentido como uma pandemia mundial, há quem diga que esse tempo sozinho foi bom, ajudou no auto-conhecimento e blá blá blá; belo discurso, pena que eu conheço vocês. Aristóteles escreveu que quem sente prazer na solidão ou é uma fera selvagem ou é Deus, e se o Covid provou alguma coisa, é que estamos muito mais perto das feras.

Paralelamente, no entanto, a vacinação, mesmo que em passos de formiga e sem vontade, está acontecendo e, de forma chocante, ninguém parece preocupado com os desesperados por um abraço, beijo, sexo e contato humano. A atual lista de comorbidades do Estado de São Paulo inclui diabetes, hipertensão, doenças cardíacas, cancêr, HIV, doenças neurológicas e obesidade, mas não carência. Injusto, né?

Nos EUA, baseado no comportamento depois de outras tragédias mundiais, já se preparam para o pandemic boom, um surto de consumo e relacionamentos (me recuso a escrever promiscuidade)que ganhará força com o fim da vacinação e das medidas de segurança. Aqui, ainda precisamos lutar com fake news de que a vacina mata mais que a doença - é difícil estar sozinho, mas nunca foi tão difícil ser brasileiro.

Por tudo isso, defendo que o jovem (?) carente entre 20 e 40 anos merece ser vacinada também. Precisamos acabar com essa loucura. Precisamos do nosso pandemic boom. Encalhados do mundo, uni-vos. E, por favor, leiam esse texto com ironia.






Posts recentes

Ver tudo

1992, 2021 - Hora do Palmeiras devolver o favor

Em 1992, o Palmeiras, que começava a ser Parmalat, chegou a final do Paulista contra o São Paulo de Telê, já multicampeão. Como é tradicional no nosso futebol, a partida começou muito antes da bola ro

A espera de um escritor

Em um de seus vários momentos de genialidade, Virginia Woolf escreveu que “há uma indiferença notória do mundo. Ele não pede às pessoas que escrevam poemas, romances e histórias; ele não precisa disso