Contabilidade criativa

Escrevo, logo sou de humanas. Ato contínuo, também sou péssimo em matemática. E se entender as finanças dos clubes de futebol já é naturalmente complicado para mim, o que dizer das finanças do futebol brasileiro, que desafiam a lógica.

Na falta de termos técnicos, trabalho com metáforas: imagine que você tem um custo de vida de 10 mil por mês e entra numa crise financeira. Você decide, então, vender o carro para se livrar do financiamento, e seu custo mensal cai para 8 mil por mês. Na minha inocente cabeça de leigo, você apenas diminuiu seu custo ( e ainda está em crise). De maneira alguma essa redução significa que, agora, você tem 2 mil reais para gastar em outra coisa todo mês, correto?

O que nos leva ao Corinthians.

O exemplo que citei acima é basicamente a explicação que a torcida corinthiana tem dado para as contratações de Renato Augusto, Giuliano e cia; ou seja, o time está usando o espaço criado na folha com a dispensa de outros atletas para contratar novos jogadores. Faria todo sentido, se o clube não estivesse completamente endividado.

A atual diretoria alvinegra (que, na verdade, é a mesma há muito tempo) assumiu com a proposta de reduzir gastos. Isso já foi para o espaço. O clube não está diminuindo sua dívida, apenas substituindo, e isso partindo do princípio de que as contratações atuais não custarão ainda mais do que os atletas anteriores. Afinal, nós sabemos como as coisas funcionam e não existe mentira maior no atual universo futebolístico do que “o atleta veio de graça”. Mesmo que digam que estão no teto salarial, as luvas diluídas e comissões podem elevar o custo mensal deles à casa dos milhões.

Obviamente, a torcida já embarcou na onda, por uma questão óbvia: todo mundo quer ver seu time com bons jogadores. No entanto, é importante manter o senso crítico.

O futebol brasileiro tem essa figura curiosa que é o “defensor de cartola”, o sujeito que acha que defender seu dirigente é defender o clube, quando, muitas vezes, é justamente o contrário - você deveria estar brigando para tirá-lo de lá. O Cruzeiro é o melhor exemplo. À cada nova denúncia ou questionamento das finanças do clube, as caixas de comentários eram lotadas por torcedores em defesa da contabilidade criativa celeste, repetindo frases prontas de dirigentes: “o dinheiro vem daqui”, “vai cair uma grana dali”, “vocês são anti” e etc. Deu no que deu. O Corinthians não é o Cruzeiro - tem mais torcida, mais audiência e mais força política - e justamente por isso consegue sempre esticar a corda. Mas é assim que o torcedor alvinegro quer viver?

Se der a lógica, o caminho corinthiano deve ser o mesmo dos últimos anos: monta um time além das suas possibilidades, aumenta a divida, talvez dispute ou até ganhe um título, e então a situação se torna insustentável, todo mundo vai embora, e voltam os elencos horríveis. Aí começa tudo de novo. Imagino que o torcedor queira mais que isso.

Eu não vou dizer que é para a torcida cantar “não quero Renato Augusto, eu quero é pagar boleto”, até porque sou palmeirense e contribuí com a vaquinha do Wesley, portanto qual a minha moral para dizer o que os outros devem fazer? Mas é essencial que os torcedores não caiam no papo de dirigente e nem no auto-engano: Renato Augusto, Giuliano e Roger Guedes são excelentes para o clube dentro de campo, mas eles não estão vindo de graça, nem são frutos de nenhuma economia. Pelo contrário, eles significam a perpetuação do modelo de gestão que levou o clube ao estado financeiro que está. Se quiser mais do que isso, a torcida tem que continuar questionando e protestando; se estão satisfeitos com a atual situação, então já pode bater palma.

Posts recentes

Ver tudo

O roteiro São Paulino (que se repete todo ano)

No final da década de 70, o cineasta Syd Field criou o que se tornaria o padrão de roteiro para a indústria de cinema americana. Até hoje, mais de 90% dos roteiros de Hollywood seguem seu modelo, que

Formula 1: Medo e delírio em Sochi

Os mais velhos juram que, ao final da vida, você se arrepende mais daquilo que não fez. Isso já foi tantas vezes repetido que se tornou um clichê. Mas clichês têm essa estranha mania de se repetir e,