1992, 2021 - Hora do Palmeiras devolver o favor

Em 1992, o Palmeiras, que começava a ser Parmalat, chegou a final do Paulista contra o São Paulo de Telê, já multicampeão. Como é tradicional no nosso futebol, a partida começou muito antes da bola rolar, nos bastidores, pois no mesmo período da final o São Paulo tinha um compromisso quase sem importância - ir ao Japão enfrentar o Barcelona de Cryuff pelo Mundial - que gerou uma queda de braço para decidir a data dos jogos da final.

O São Paulo ganhou a briga contra a Federação Paulista, e em 5 de dezembro o tricolor campeão da libertadores entrou em campo contra o Palmeiras há 17 anos na fila, e venceu por 4 a 2, com um 1 de Cafú e 3 de Rai. Logo em seguida a equipe embarcou para o Japão, bateu o Barcelona no dia 13, e voltou para o Brasil para disputar a partida de volta da final, no Morumbi com 110 mil pessoal, no dia 20 de dezembro. Mais uma vitória tricolor, por 2 a 1, gols de Muller e Toninho Cerezo. Zinho descontou no último minuto do jogo para o Palmeiras, mas o título ficou com o São Paulo.

Para o palestrino, doeu. Ficar mais um ano na fila interminável e ver o rival ganhar mais um título foi mais um golpe no já desesperado torcedor palmeirense, que só viu sua desgraça acabar no ano seguinte, no titulo Paulista de 93. E é aí que está a pegadinha.

Se o São Paulo se recusasse a jogar as finais, colocado o juniores ou simplesmente perdido o título devido a exaustão da viagem ao Japão, o Palmeiras teria sido privado do maior momento de alegria da história do clube: sair da fila contra o Corinthians, com o gol de Evair, do jeito que tinha de ser. O palmeirense romântico pode dizer, portanto, que o tricolor fez um favor ao rival, ao permitir que o alviverde voltasse a ser campeão do jeito que foi.

Avançando no tempo, agora, em 2021, é a mesma final, só que ao contrário: um Palmeiras multicampeão chega a decisão contra o São Paulo na seca de títulos, e acredito que é hora do Palestra devolver o favor.

O sãopaulino mais afoito talvez ache que a glória será vencer os jogos de quinta e domingo e acabar já essa semana com a fila, mas para que a pressa? Acredite em mim são paulinos, o futuro a Deus pertence e o que está por vir é ainda melhor. Quem sabe também contra o Corinthians, quem sabe também com gol decisivo no final. Quem quer sair da fila nesse torneio bizarro de jogos à cada 48 horas? Um paulistinha com os asteriscos da pandemia? Não. O fim da fila tricolor merece muito mais, e se há vinte anos atrás o São Paulo deu ao Palmeiras o prazer da espera pela catarse de 93, o mínimo que o alviverde pode fazer agora é retribuir essa alegria ao rival da capital, que afinal é um co-irmão.

Amigos são paulinos, não se deixem levar pelas piadas dos adversários, ou pelo assombro das memórias recentes. A hora vai chegar, e quanto mais ela demora, maior o êxtase. Confiem mim, um pelmeirense que não trocaria 93 por nada nesse mundo: o melhor a se fazer é perder a final para o Palmeiras, e quando virem o rival levantando a taça, digam “obrigado”. Vocês vão me agradecer.


Posts recentes

Ver tudo

A espera de um escritor

Em um de seus vários momentos de genialidade, Virginia Woolf escreveu que “há uma indiferença notória do mundo. Ele não pede às pessoas que escrevam poemas, romances e histórias; ele não precisa disso