2020: a temporada em que o futebol entrou no circo

Carl Sagan tem uma frase sobre religião que, no Brasil, também vale para política: “não é possível convencer um crente de coisa alguma, pois suas crenças não se baseiam em evidências; baseiam-se numa profunda necessidade de querer acreditar”. Mais verdadeira do que nunca, agora ela engloba também o futebol, que na temporada 2020 entrou de vez no circo.


Comecemos pelo começo: Em 2018, o país, alegando cansaço com a velha política, decidiu eleger para presidente um deputado do centrão há mais de trinta anos no Congresso sem nenhuma contribuição relevante (para dizer o mínimo). Da mesma forma, o Palmeiras, cansado do futebol de Felipão e Mano Menezes, resolveu adotar um futebol moderno e ofensivo, e para isso trouxe Vanderlei Luxemburgo. O resultado de ambas as escolhas foi o mesmo.


O Vasco pede a anulação do jogo contra o Internacional e fala em moralização do Campeonato Brasileiro. Esse mesmo Vasco da diretoria eleita com o equivalente a um golpe de estado e que tantas e tantas vezes endossou Eurico Miranda. A atual diretoria vascaína falar em moralização nos lembra muito essa penca de congressistas atuais, que apesar das denúncias de corrupção e discursos de ódio, pregam por Deus, pátria e família. Num exercício comum do Sul e Sudeste, que elege Dória, Witzel, Bolsonaro (& família), Aécio Neves e tantos outros, mas diz que é o nordeste que vota mal, os clubes de Minas, Rio e São Paulo se entregam a Perrelas, Euricos, Dualibs, Mustafás, Aidars e depois querem ser vítimas.


Fernando Diniz é o Paulo Guedes. Com mais promessas do que resultados, recebeu um apoio da diretoria que não foi visto com nenhum outro profissional, e ficou marcado pelo total deslocamento da posição que ocupa: Diniz claramente não entendeu que treinava um time gigante há mais de uma década na fila, como Guedes parece não entender o que é ser Ministro da Economia num país em que (pesquisa de 2019) 1 em cada 4 brasileiros vive com menos de R$ 500,00 por mês. O sonho neoliberal brasileiro é uma saída curta do Tiago Volpi na pequena área. Negligente, no mínimo.


O VAR é a Dilma Roulssef. Em 2016, parte da população brasileira foi convencida de que, se a Dilma caísse, o Dólar ia para os R$ 2,00 no dia seguinte. Com a mesma inocência, se acreditou que a instalação do arbitro de vídeo no Brasil acabaria com todas as mazelas do futebol, independente do baixo nível da nossa arbitragem e da incompetência e descaso naturais das instituições brasileiras, no caso do futebol, a CBF. Já estamos em 2021 e o dólar ainda não voltou aos R$ 2,00, e nem os problemas de arbitragem acabaram. E as pessoas não conseguem lidar com a frustração, depois de todo o esforço e energia gastos para que essas coisas acontecessem.


E o que falar do torcedor? Negacionista, ele hoje briga com as imagens, como parte da população briga com cientistas e institutos de pesquisa; no fundo, ao invés de encarar os fatos, passa o dia em busca de teses conspiratórias que corroborem suas crenças. Como o atual governo, não acredita na imprensa. Pelo contrário, a odeia e a ataca, sempre preferindo uma fake news conveniente. Em 2020, nenhum time do Brasil perdeu nenhuma partida por ser pior que o adversário. Todos foram vítimas de algum complô, como nosso atual presidente que, para seus suditos, nunca erra e, se erra, não errou - foi enganado ou traído.


Eu me recuso a acreditar que nós, torcedores, somos burros, então o que sobra é isso, a profunda necessidade de querer acreditar. O futebol finalmente entrou de vez no circo que é o Brasil nos últimos anos. Quando iremos aprender a acreditar nos fatos e não no que queremos? Pensando bem, tem gente que não acredita na pandemia. Pelo jeito vai demorar.


Posts recentes

Ver tudo

Canções de amor que de amor não tem nada

Guardei esse texto para soltar no dia dos namorados, mas mudei de ideia por dois motivos: Primeiro, porque parte dos brasileiros já absorveu o Valentines Day americano, e semana passada fui obrigado a

Hoje matei meu cão

Eu sou um crítico recorrente de posts em redes sociais, principalmente coisas como foto de criança no dia das crianças ou “É Carnaval que fala?” no Carnaval. No entanto, acho legais as homenagens aos

Em nome de mim - Episódio III

Olá, eu sou Deus, e seja bem vindo ao meu podcast, Em Nome de Mim. Hoje o tema é futebol. Neste programa, eu vou responder a pergunta que todo mundo sempre faz: o quanto eu interfiro no futebol? Bom,

Elogios, críticas, sugestões...envie sua mensagem.

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com