Ghosting - o truque do desaparecimento

Se em 2020 você não sabe o que ghosting significa, você é uma pessoa de sorte. Ou talvez esteja há muito tempo em um relacionamento saudável. Ou velho demais para isso. Ou, ainda, alguém tão bonito que simplesmente é imune a rejeição - duvido que a Scarlett Johansson ou o Brad Pitt já tenham sofrido com mensagens não respondidas.

Quem nunca: você está trocando mensagens com a pessoa, quem sabe já tenham até saído algumas vezes e um dia, de repente, silêncio total. Você tenta justificar a coisa na sua cabeça, como a possibilidade dela não ter visto o celular ou estar sem bateria, mas neste meio tempo ela posta 14 stories. Talvez você arrisque outra mensagem, talvez não, mas o resultado é o mesmo: você quase vira um astronauta, de tanto vácuo. Isso é ghosting.

Com a evolução dos celular e da própria forma de se comunicar, estamos cada vez mais acostumados a evitar pessoas simplesmente não respondendo. Isso vale para mensagens da sua mãe, o amigo no grupo pedindo para responder a pesquisa do TCC ou à pessoa com quem você está saindo. É apenas um sintoma de uma doença mais ampla no mundo virtual, e da nossa geração, de evitar incômodos a todo custo. Proporcionalmente ao numero cada vez maior de pessoas com quem nos relacionamos digitalmente, nos incomodamos cada vez mais com o contato interpessoal. É a época em que ligação é sinal de amor, mas também uma grande chatice.

Ghosting, conforme o verbete que entrou para o dicionário da língua inglesa nos últimos anos, é o ato de deliberadamente ignorar alguém com que você mantinha algum tipo de relação, deixando-a confusa com relação ao status (ou fim) do relacionamento. Em essência, não é diferente de ignorar telefonemas, não aparecer no dia do encontro ou não retornar as mensagens da caixa postal, técnicas mais usadas no passado. No entanto, a internet eleva tudo a enésima potência.

A diferença principal é que, hoje em dia, não importa onde a pessoa viva ou o que ela faça, o término de uma relação não significa a perda de contato. A menos que um dos dois tome a enérgica decisão de bloquear e parar de seguir nas redes sociais, o contato continua a distância pelo mundo virtual. E isso torna um processo geralmente já doloroso, tomar um fora, ainda pior. É o exemplo que dei acima, a pessoa não te responde mas está ativa no Instagram, então você sabe que ela está com o celular na mão e deliberadamente te ignorando. Ou então ela não te responde, e amanhã posta foto beijando outra pessoa. E você precisa chegar a todas as conclusões sozinho. Além disso, nas infinitas mensagens trocadas, a gente se abre e compartilha coisas, ficamos íntimos de alguma forma, o que deixa o termino repentino ainda mais estranho. Se “Cat Person”, da Kristen Roupenian, já é meio bizarro, imagine se o conto terminasse com o cara simplesmente desaparecendo.

Este tipo de coisa dificulta o processo de “seguir em frente”, e já há estudos que mostram que pessoas que sofrem o ghosting, dependendo do quão grau de envolvimento, tendem a desenvolver problemas de ansiedade e autoconfiança, pois não receber uma resposta dá margem à um universo de possibilidades, e, não raro, a pessoa ignorada começa a se ver como culpada.

Por outro lado, é importante entender o lado de quem pratica a coisa e, principalmente, deixar de lado o vitimismo caça-like; um dos problemas dos textos de relacionamentos é que os autores tendem a se colocar como vítimas, como se nunca tivessem feito nada parecido com ninguém. Isso é uma grande mentira, todo mundo sabe. Citando uma música do Fagner que não sai da minha cabeça, “os amantes em geral são afoitos, egoístas e mal pensam a sorte alheia, como eu”. No fim das contas, quando se trata de relacionamentos, somos uma grande confusão.

Quem pratica ghosting, o faz por dois motivos (não excludentes um do outro): o primeiro, mais óbvio, dar um fora em alguém sem precisar de uma conversa desconfortável. Você apenas ignora e espera que a pessoa se toque. O segundo, para terminar sem terminar. Como ninguém diz a frase “eu não quero mais sair com você” (ou equivalentes), a coisa fica meio em suspenso, e como o contato continua pelas redes sociais, existe margem para um recomeço futuro. A gente sabe como funciona: um like aqui, outro ali, responde um stories e tcharam, vocês voltam a se falar. Na minha pesquisa para fazer este texto, descobri que este comportamento também tem nome.

A escritora Anna Iovine, em um artigo chamado “Orbitig is the new Ghosting and it’s probably happening to you”, no qual narra o caso de um relacionamento cuja pessoa desapareceu de repente, acabou cunhando este termo, Orbiting, que como o nome sugere (orbitar), acontece quando a pessoa some, mas continua interagindo com você pelas redes sociais, acompanhando stories, dando likes e etc. Ela formula diversas teorias para este comportamento. Para mim, em 90% dos casos, orbiting é uma extensão de ghosting. Ou seja, a pessoa termina com você sem terminar, mas continua por perto para caso mude de ideia. (Este ano, fiz uma promessa de evitar clichês a qualquer custo, e como não há nada mais clichê do que citar Bauman em um texto sobre relacionamentos modernos, vou poupar vocês dessas. Não fosse a promessa, no entanto, haveria aqui um trecho de Amor Líquido).

Seja como for, uma coisa é clara, e não adianta se enganar: a pessoa que te ignora não está a fim de você. Isso não significa que ela te odeia ou quer seu mal, ela apenas não está a fim de você.

Estamos na era digital, vinte quatro horas conectados e com o celular nas mãos. Uma demora de vez em quando é normal, mas ninguém é tão ocupado a ponto de não ter um segundo para te responder. E a menos que você seja um adolescente lendo este texto, você já aprendeu que não dá para obrigar ninguém a gostar de você. O que você pode fazer é ficar puto com este tipo de comportamento, e aí chegamos nas formas de como agir e reagir nessas situações.

Não se deixar levar pela atitude de outra pessoa é essencial. Muitas vezes permitimos que a ação do outro se reflita na forma que nos vemos, imaginando o que a rejeição dela tem a dizer sobre nós. Na maioria dos casos, nada. Outro ponto é impedir os filmes de terror na nossa cabeça. Quando alguém nos ignora, tendemos a pensar nela com o telefone na mão, vendo nossa mensagem e dando uma risada diabólica enquanto planeja formas cruéis de nos humilhar. Não é assim. Ninguém acorda de manhã pensando “como eu vou ignorar aquele idiota hoje?”. As pessoas fazem o que elas fazem pelos motivos delas. E não tente adivinhar os motivos.

Ela pode ter as melhores ou piores razões do mundo para não ficar com você, mas isso não vem ao caso. Este texto não é uma crítica ao pé na bunda, mas à uma forma específica de dar o pé na bunda. Ignorar alguém desse jeito é uma coisa escrota de se fazer; ninguém é tão insignificante a ponto de não merecer nem uma única mensagem, mesmo que para levar um fora. É um desrespeito, ou no mínimo um descaso com o sentimento do outro. Ficar se martirizando atrás dos motivos, bem como correr atrás para tirar satisfação, é dar moral demais para alguém que, afinal, não quer saber de você. Esteja você apaixonado buscando respostas, ou morrendo de raiva querendo falar poucas e boas para a pessoa, jamais - jamais - corra atrás para tirar satisfação.

Os próximos passos são simples: tente sair com pessoas legais, que pareçam realmente se importar com você. E se isso parecer impossível, se esforce para pelo menos não cair no papo de quem já sumiu antes. É muito difícil, eu sei.

Este texto tem 1500 palavras. Se você o leu até aqui buscando uma luz para alguma relação que está vivendo no momento, lembre-se: relacionamentos não deveriam dar tanto trabalho. Um drama aqui e ali é legal, mas ninguém entra nessa para sofrer. O sofrimento é um efeito colateral, como a ressaca depois de uma puta festa. A gente se relaciona para termos companhia, compartilhar nossa vida, dar risada, beijar, transar ou ter alguém para assistir Netflix junto. E isso não significa que toda relação precise acabar em casamento, dois filhos e um cachorro. Se houver um mínimo de sinceridade em relação as expectativas de um e outro, dá para vivermos histórias legais, por uma noite ou por uma vida. O principio por trás de todo o processo é tentarmos ser mais felizes do que somos sozinho. Sei que parece algo muito inocente ou ingênuo, mas é importante tentar recuperar a inocência de vez em quando. Enquanto geração, já internalizamos diversas coisas que, no fim, nos fazem mal: a velocidade dos relacionamentos, a superficialidade das relações, as máscaras que vestimos nas redes sociais, entre tantas outras. Se assumirmos de vez que ficar com alguém é sempre um enorme transtorno, aí estamos perdidos.

Fique com quem quiser, transe o máximo possível e se der vontade de terminar, termine. Só avise a pessoa.

Posts recentes

Ver tudo

Em nome de mim - Episódio III

Olá, eu sou Deus, e seja bem vindo ao meu podcast, Em Nome de Mim. Hoje o tema é futebol. Neste programa, eu vou responder a pergunta que todo mundo sempre faz: o quanto eu interfiro no futebol? Bom,

Em nome de mim - Episódio II

Olá, eu sou Deus, e bem vindo ao meu podcast, Em Nome de Mim. Hoje, nosso tema é família. Não se esqueça de dar seu like, e seguir nosso programa no Spotfy ou em seu agregador de podcasts favorito. Nã

Em nome de mim - Episódio I

Olá, eu sou Deus, e seja bem vindo ao meu novo podcast, Em Nome de Mim. Disseram que eu estava distante do público, meio ausente, então resolvi começar esse programa, pra entrar em contato com você, f

Elogios, críticas, sugestões...envie sua mensagem.

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com