Paris finalmente em chamas

Após a vitória de Donald Trump nas eleições americanas, Steve Bannon, chefe de campanha de Trump, ao ser perguntando sobre como seria o novo governo, declarou: “será tão emocionante quanto a década de 1930”. Foi profético.

Os anos 30 marcam a época negra do século XX, com a ascensão dos regimes fascistas e nazistas pela Europa, e também o momento em que o próprio EUA mais se aproximou destas ideias, defendidas por personalidades populares da sociedade americana como Henry Ford e Charles Lindbergh. Hoje, como há 90 anos, assistimos ao ressurgimento do fascismo, que se instalou na Hungria, Turquia e Polônia, bateu na trave na França com a derrota de Le Pen e já cruzou o oceano para Brasil e Estados Unidos; coincidência ou não, o slogan escolhido por Trump foi “Make America Great Again”, muito semelhante à “America First”, nome do movimento pró-fascista americano do começo do século passado, bem como nós adaptamos o “Alemanha acima de todos”, mantra nazista presente na primeira estrofe do hino alemão, trecho banido pelo país desde a queda do regime.

Em todos esses países, os sinais já se manifestam: nacionalismo, centralização da figura de um líder mítico, guerra contra a “imprensa conspiratória”, anti-intelectualismo, revisionismo histórico, tentativa de restringir direitos de minorias (comunidade LGBT, por exemplo) e resistência a movimentos de igualdade (feminismo, outro exemplo), fixação por um “passado glorioso”, além da política do “nós contra eles”. Não é nada novo, mas recente. Todos esses aspectos juntos formam o bê a bá da política fascista.

Em agosto de 2017 ocorreu o Charlottesville rally, passeata promovida por brancos supremacistas no estado da Virgínia, Estados Unidos, onde diversas pessoas caminharam portando bandeiras nazistas e entoando gritos antissemitas. Em fevereiro de 2019, um cemitério judeu em Estrasburgo, França, teve suas lápides pixadas com suásticas. Na Rússia, Hungria e Turquia a censura já foi instrumentalizada pelo Estado, bem como a perseguição à adversários. Temas absurdos como a negação do Holocausto, que inclusive é crime na Alemanha, enchem as páginas na internet, junto com todo o tipo de preconceito.

Bannon estava certo, portanto. Realmente nunca estivemos tão perto dos anos 30, e de tudo que se sucedeu neste década, quanto agora. Ódio e medo voltaram a ser as pautas que movem as nações. E no meio disso tudo, Notre Dame pega fogo.

Quando era adolescente, escrevi um texto melodramático que defendia que minha geração era amaldiçoada pois seria aquela destinada a ver os Rollings Stones morrerem. Foi um dos meus primeiros sucessos como escritor. No entanto, assistir um símbolo histórico de quase 800 anos queimar bota as coisas em perspectiva; você percebe como as desgraças podem ser muito maiores. E isso me fez lembrar uma outra história.

Ao fim da segunda guerra, diante da aproximação dos aliados e a retomada iminente de Paris, o general alemão que comandava a cidade, Dietrich Von Choltitz, recebeu ordens para destruir a cidade, entregando-a arrasada para os inimigos. O plano era destruir pontos turísticos e, principalmente, dinamitar as barragens do rio Sena, o que imediatamente inundaria toda capital francesa. Às vésperas da chegada dos aliados, o general recebeu um telegrama direto de Hitler perguntando “Paris já está em chamas?”. Este momento, em que o futuro da cidade mais bela do mundo dependeu da decisão de um único homem, já foi retratada em diversos filmes e peças, além de ter dado origem há várias histórias; uma delas, conta que os alemães, após evacuarem a cidade, teriam deixado um soldado munido de dinamite na Catedral de Notre Dame, com ordens de bota-la abaixo, no entanto o soldado não teve coragem de destruir o monumento, e fugiu sem cumprir a ordem. O mesmo foi feito pelo general Von Choltitz, que entregou a cidade intacta e, de possível carrasco, tornou-se o “salvador de Paris”.

A retomada da capital francesa foi um dos grandes marcos do fim da segunda guerra, e também da queda dos regimes fascistas que dominavam a Europa. E hoje, justamente quando este mal se espalha novamente, a Catedral pega fogo. Paris ficou finalmente em chamas. É simbólico; quase como se estivessem voltando para terminar o serviço.

Posts recentes

Ver tudo

Em nome de mim - Episódio III

Olá, eu sou Deus, e seja bem vindo ao meu podcast, Em Nome de Mim. Hoje o tema é futebol. Neste programa, eu vou responder a pergunta que todo mundo sempre faz: o quanto eu interfiro no futebol? Bom,

Em nome de mim - Episódio II

Olá, eu sou Deus, e bem vindo ao meu podcast, Em Nome de Mim. Hoje, nosso tema é família. Não se esqueça de dar seu like, e seguir nosso programa no Spotfy ou em seu agregador de podcasts favorito. Nã

Em nome de mim - Episódio I

Olá, eu sou Deus, e seja bem vindo ao meu novo podcast, Em Nome de Mim. Disseram que eu estava distante do público, meio ausente, então resolvi começar esse programa, pra entrar em contato com você, f

Elogios, críticas, sugestões...envie sua mensagem.

© 2023 by Train of Thoughts. Proudly created with Wix.com